quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Uma das piores coisas da vida é fingir. Fingimentos de qualquer espécie, ordem, tamanho, tipo, grau. Odeio fingir. Me sinto mal, me sinto atriz, me sinto fora de mim. Mas é necessário. De vez em quando é, acredite. As pessoas me elogiam, me amam, me querem bem. Que bom, fico feliz: obrigada. Obrigada mesmo, obrigada de verdade, obrigada, obrigada. Mas me dá licença, posso ficar na minha? Posso ficar sozinha? Posso ter o direito de estar triste? Não quero ficar sendo legal, quero meus cinco minutos de depressão profunda e solitária. Me deixe só com os meu pensamentos, com meu coração esmigalhado e com minha auto-estima do outro lado. Pensei em sumir. Desaparecer. Despistar. Fingir. Só que eu não vou. Vou me esforçar e acreditar que tudo vai ficar bem. A esperança nos mantém vivos, certo? A fé nos faz andar para a frente, certo? Então tá certo. Ficamos combinados dessa forma. Não espere poesia, linhas bem feitas, palavras bonitas. Simplesmente não posso. Agora não. Não sou de ferro. E está doendo. Você não entende a minha dor. Não quero explicar. Nem eu entendo. Sei que dói. Sei que queria você de volta. Sei que queria que tudo fosse do meu jeito. E meu jeito é certo? Não sei. Mas não me diga que a vida é assim, que ele não merece minhas lágrimas, que o mundo dá voltas e que o tempo cura. A vida não era pra ser assim, droga! Ele não merece minhas lágrimas? Mas eu preciso chorar! E quem disse que ele não merece? O mundo dá voltas, eu sei, mas para mim ele parou agora e nunca mais vai se mover. O tempo cura, benegripe cura, neosaldina cura. Mas demora. Me deixa ficar aqui. Sozinha. Ouvindo música. No escuro. (…) Amanhã eu recomeço. Ou não.
— Clarissa Corrêa.  


Nenhum comentário:

Postar um comentário